Resistência à tecnologia VS Marco Legal do Saneamento

Como a digitalização do saneamento ajuda o abastecimento de água para os 35 milhões de brasileiros que ainda não possuem acesso à água?

Sabemos que a inserção de novas tecnologias, tanto na vida pessoal e – principalmente – no ambiente de trabalho pode gerar dúvidas. As pessoas buscam pelo conforto e estabilidade do que é conhecido. Como diz o ditado: tudo que é novo assusta. Não é mesmo?

Na área do saneamento não é diferente e atualmente vemos um movimento de digitalização cada vez maior. Assim. Isso porque para alcançarmos a meta de universalização da água estabelecido pelo Novo Marco Legal do Saneamento, é necessário mudar  os processos e a forma como coletamos, tratamos e distribuímos a água e o esgoto em nossas cidades. E digitalização é sinônimo de trazer novas tecnologias e atualizar  procedimentos, tais como a pesquisa de vazamentos, por exemplo.

Hoje 1 em cada 6 brasileiros não tem acesso a água potável. Durante o processo de distribuição de água, o Brasil perde 38% do volume coletado dos mananciais. Ou seja, para uma caixa de água de 1.000 litros ser abastecida, foram retirados, em média, 1.612 litros do manancial. Para se ter uma ideia do que essa perda significa, se economizássemos 20% do volume perdido, haveria água o bastante para abastecer todos os 35 milhões de brasileiros que não possuem acesso à água potável. 

Mas como evitar a perda de água e garantir que ela está sendo usada de maneira racional?  O uso de tecnologia em prol da digitalização do saneamento é a resposta.

Sabemos que é difícil mensurar e acompanhar os indicadores referente ao que ocorre no campo durante a pesquisa de vazamentos.  No dia a dia do serviço de geofonamento podem acontecer inúmeras situações que necessitam de ações para diminuir o desperdício do nosso recurso natural tão precioso: a água.

O surgimento de novos métodos tecnológicos pode ajudar no alcance da meta proposta pelo Novo Marco Legal do Saneamento Básico – começando por uma mudança no paradigma da gestão de perdas pelas distribuidoras de água!

Insanidade é continuar fazendo sempre a mesma coisa e esperar resultados diferentes.

Albert Einstein

Tendo isso em vista, é importante inovar e o uso de  tecnologias que ofereçam suporte aos trabalhos de geofonamento. A Stattus4 vai ao encontro dessa necessidade com um sistema de Inteligência Artificial que colabora com a redução gradual de perdas aparentes e reais de água. 

Com a missão de trazer eficiência na gestão de perdas, nosso sistema 4Fluid tem contribuído com a detecção de vazamentos. Clique aqui e conheça nossa solução em prol da digitalização do saneamento.