Case RJ: ramal clandestino abastecia 60 residências

Há 11 anos a distribuidora de água presente na região serrana do estado do Rio de Janeiro realiza os serviços de saneamento básico do local. Contando com 13 Estações de Tratamento de Água (ETA’s), tratam cerca de 40 milhões de litros de água diariamente e abastecem aproximadamente os 190 mil habitantes (IBGE 2019).

Pensando em investir em soluções para melhorias na gestão de perdas, a concessionária fez parceria com a Stattus4 e desde Março de 2019, adota o sistema 4Fluid Móvel para identificação de pontos suspeitos de vazamento na concessão.

Durante o processo de varredura em um bairro residencial, o sistema 4Fluid móvel apontou uma amostra como um possível ponto suspeito de vazamento. Ao realizar a inspeção do local, a equipe de perdas constatou que se tratava de um ramal clandestino (fraude) que abastecia aproximadamente 60 residências.

Com a identificação dessa ocorrência, a concessionária realizou um trabalho de regularização das residências no local, verificando quais locais estavam sendo abastecidos com a água proveniente do ramal clandestino e realizando a ligação das tubulações de água corretamente.

Fraudes causam prejuízos não só para a concessionária, mas para toda a população. Elas podem, por exemplo, ocasionar contaminação na rede pública de água e comprometer o abastecimento da região.

Caso a concessionária não tivesse realizado a ação corretiva, o prejuízo causado pelo ramal clandestino é estimado em torno de R$73.600,00/ano

Vale lembrar que qualquer intervenção nos hidrômetros e redes de distribuição com a finalidade de furtar a água é crime, estando sujeito aos cumprimentos da penalidade na lei vigente.